apresentação

apresentação

LIVRO ZEN ORIGAMI

Mandalas in action integrantes do LIVRO "ZEN ORIGAMI" no qual estou trabalhando.

02 julho 2013

ASAS DO DESEJO - WIM WENDERS

"Do que tem inveja os anjos? Da finitude dos mortais, da sua fragilidade, da sua inscrição no tempo, do sentir frio, do sentir fome, do sentir doce, do esfregar as mãos uma na outra numa madrugada gelada, de sentir o calor de um copo de café esquentando o corpo, de ter saudades, incertezas, de morrer de amor...

..." Talvez essa seja uma das coisas mais difíceis e mais fascinantes de fazer... o multiplicar as formas de conexão, de linguagens,de abordagens, de entendimento. Pluridimensionar o campo.

" O trabalho diário e  a mão na massa são sempre mais maçantes do que as belas palavras, mas não se deve sob hipótese alguma abdicar das belas palavras, assim como não se deve abdicar das belas histórias, nem dos belos gestos, muito menos das belas intervenções - o que não dizer das belas e desvairadas viagens. Sobretudo delas..."
Peter Pál  Pelbart  in "A nau do tempo-rei" - 7 ensaios sobre o tempo da loucura 


Acho que talvez nunca nenhum filme tenha inspirado tanto.
Suspeita para opinar, sou do tipo que quando algo agrada meus sentidos,  posso ver, ouvir, degustar mil vezes o mesmo, sempre encontrando alteridade  ali! 
No momento, por exemplo, descobri um novo músico por quem enlouqueci. Encontrei em setembro um CD, de Marcelo Hilgenberg acompanhado por Ricardo Itaborahy ao piano acústico, só com músicas de J.S. Bach, que desde cedo eu já amava. Na última quinzena, tenho ouvido esse som inúmeras vezes ao dia. Sempre enquanto crio ou quando descanso, eu o coloco para ouvir e é um deleite. Para ser bem sincera, acho que é só o que tenho ouvido, mas "só" não cabe para tanta música que É. 
Assim também o filme: já assisti muitas vezes "Asas do Desejo" de Wim Wenders e pretendo ainda assisti-lo tantas outras. 
Há sempre coisas novas a receber dali.
E 'a medida que pesquiso, mais vejo a quantos trabalhos serviu. Fazer artístico, reflexões, psicanálise, filosofia.
Para minha surpresa, a borboleta que criei inspirada no filme, desdobrou-se, foi transformada em orinuno e ganhou novas asas. Atravessou continentes. Em breve, novidade boa (muito boa) aqui no blog: aguardem.

2 comentários:

  1. Hermosa pelicula, en general las obras de este autor no son ligeras de entender pero siempre dejan algo!!!!!!!!!!
    Saludos,Claudia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudia Beatriz Calandra: sim, mui hermosa. E tenho a mesma sensação que você - apesar da aparente complexidade das obras, vale a atenção - a gente cresce com elas!

      Excluir